Já estamos trabalhando para a próxima edição do festival.

DOCUMENTÁRIO - PERCPOA 2006


Momento único filmado no final do evento com os tambores ocupando as ruas de Porto Alegre. Confira!

PRÊMIO: " DESTAQUES BATUTAS DE OURO "


BATUTAS DE OURO
PERCPOA_2006

Prêmio de reconhecimento apersonalidades 
que se destacaram
na preservação e propagação 
dos rítmos brasileiros.



Mestre "Gery Saraiva" 
( Bateria e Percussão )

Mestre "Paraqueda"  
( Compositor e Griot )

Mestre "Giba Giba" 
( Ritmos AfroBrasileiros )



MENÇÃO HONROSA
PERCPOA_2006

Prêmio por serviços prestados à cultura,
ao fomentoe à valorização humana.



Mestre " Walter Borel " 
( Preservação Cultural )
Sr. Pedro Diogo_Coord. Banda Saldanha 
( Destaque Cultural )
Sra. Iara Deodoro_Coord.Afrosul/Odomode 
( Destaque Comunitário )
Projeto TIM nas Escolas_Escola Aberta 
( Projeto Social )

Estilo Polirrítmico de Gersy Saraiva

ENTREVISTA REALIZADA EM 2007 PELA PORTOWEB TAMBOR SITE PARCEIRO DO PERCPOA.

Gersy Saraiva, natural de São Leopoldo, é baterista e percussionista, com muitas histórias pra contar em seus mais de 50 anos de carreira. Fã confesso dos gêneros jazz, bossa-nova e samba, Saraiva exercita uma polirritmia irreverente ao tocar bateria, sobrepondo até quatro divisões distintas em um mesmo andamento. Grandes nomes da MPB, como Elis Regina, até feras do jazz, como o trompetista norte-americano Dizzy Gillespie, já provaram a sensação de ter Gersy Saraiva em sua cozinha*. Na manhã de 24 de abril, dia do Chimarrão, o PortoWeb recebeu o baterista gaúcho para esta entrevista exclusiva.


PW - Como começou tua carreira?
Eu era menino, tinha 12 anos, e estudava lá em São Leopoldo quando me convidaram para integrar a Escola Tamboreiros, no grupo elementar. Foi lá que comecei a minha vida musical. Desde então, eu não parei mais. Fui músico da banda da Aeronáutica do Rio Grande do Sul até dar baixa. Depois toquei muito tempo em bailes e também em orquestras. Até os 23 anos eu era percussionista. Tornei-me baterista depois, quando meu irmão montou a orquestra Saraiva & Araújo, e eu passei a ser o substituto dele nas folgas. Dia após dia fui me dedicando à bateria, principalmente no jazz. Tive também a oportunidade de passar um tempo em Buenos Aires, e lá montei um trio: eu na bateria, Cidinho no piano e Gravatinha no contrabaixo. Voltei para o Brasil e comecei a tocar com o Itamoni Show, de Caxias do Sul, por sete anos.

PW - Quais são as tuas influências? Max Roach, Jack De Johnette, Louis Belson, Bill Evans, e atualmente, Tony Williams. Dos brasileiros, o Airto Moreira e o Edson Machado são os que me influenciaram.

PW – Qual é o teu estilo?
Eu me baseio sempre na linha moderna do jazz, que influenciou muito a bossa-nova e que fez evoluir o nosso samba.

PW- O que toca no aparelho de som de Gersy Saraiva?
Jazz. Muito jazz, bossa-nova e samba.

PW - Como tu vês hoje o cenário musical brasileiro? E a cena musical de Porto Alegre?
Não é muito bom não. O povo brasileiro não dá muito valor ao seu artista. Ele acaba sendo valorizado lá no exterior. Basta dizer que alguns dos melhores cantores e músicos vivem hoje nos EUA e na Europa, ou ficam lá por um grande período, pois é lá que são reconhecidos. Eu acho que aqui no sul tem muito preconceito. Preconceito musical, social, então a música aqui no sul não é tão valorizada, a não ser a música tradicional. Mas é bom lembrar que mesmo o ritmo folclórico gaúcho foi herdado do estrangeiro.

PW – Para que lugares já viajastes com tua bateria? 
Toquei em todo Rio Grande do Sul, no Rio de Janeiro, em São Paulo, Paraná e Santa Catarina. Toquei nos programas da TV Tupi, no Show do Golias. E toquei na Argentina, em mais de 20 cidades durante uma turnê.

PW - Quais os momentos mais marcantes da tua carreira? 
Marcante foi com a Orquestra do Ernani Marino. Macedinho ficou de maestro da orquestra, e ele foi fazer um carnaval na Argentina, em Rosário Central. Então, fui eu de baterista. Na hora em que eu estava tocando com a orquestra, o Macedinho deixou uma deixa pra mim na batera, e eu comecei a fazer o solo para mais de cinco mil pessoas. Toquei também com Pedrinho Mattar, com Moacir Pechato e com o Maestro Karl Faust. Também me marcou ter tocado, nos anos 90, com Almir Guineto. No final do show ele veio me agradecer por ter tocado de forma brilhante, e disse que se não fosse eu, a banda estaria arrasada. Toquei também com a Elis Regina, na Rádio Gaúcha, no programa do Maurício Sirotsky. Nessas apresentações, que eram no Cine Castelo, eu tocava com a Orquestra de Karl Faust.

PW –  O que você faz hoje profissionalmente?
Eu organizo e participo de workshops. Procuro sempre locais estratégicos como o Teatro de Câmara, entre outros pontos de Porto Alegre. Também participei do PercPoa** no final de 2006.

PW – E os amigos que fizestes ao longo da carreira? 
Eu revelei Nenê, o Mutinho, meu sobrinho Jahmay e meu filho Ricardo “Pinote”. Quanto à música, acho que criei a polirritmia, que é utilizar quatro divisões diferentes em um único andamento. É uma técnica que construí e se tem outro músico que faça isso, eu pelo menos não conheço. Quanto aos amigos que fiz na carreira, cito Almir Stock, Rubinho, Nilton Baraldo, que tocava com a Ângela Maria, Luis Eça, Maestro Garoto, e Herbert Gehr entre outros.

PW – Tens projetos? 
Eu pretendo montar um conjunto de jazz, Bossa-Nova e samba.

PW - O que ainda falta realizar?
Ser mais valorizado como músico pelos brasileiros. Pra mim essa entrevista já é um grande passo.

PW - E se não fosses músico, o que serias? 
Seria engenheiro. A casa que eu moro é de madeira e estava caindo aos pedaços. Daí eu mesmo consegui fazer uma casa. Estou muito satisfeito de estar morando em uma casa que eu fiz, é uma sensação única. Sou meio autodidata.
* Jargão musical para bateria ou percussão.
** Festival de Percussão Gaúcha, apoiado pelo PortoWeb.

Oficinas: Maracatu TRUVÃO na Redenção_POA

Show Coletivo: BataclaFC _ Sandro Gravador

GRANDES PERSONALIDADES DO EVENTO EM 2006


Zé da Terreira - Músico, ator, compositor, baluarte e grande sambista de  Porto Alegre. Um dos fundadores do grupo Oi Nóis Aqui Traveis - Terreira da Tribo na decada de 70. Participou da montagem original do musical "Hair" no RJ. Lançou disco de grande repercussão pelo FUMPROARTE denominado " QUEM TEM BOCA É PRÁ CANTAR".


 
Mestre Giba Giba - Cidadão hemérito de Porto Alegre. Natural de pelotas é um dos maiores nomes da cultura Afro do RS tendo gravado inumeros trabalhos e reconhecido nacionalmente por sua história. Giba GIba é também fundador do CABOBÚ, importante festival afro da cidade de Pelotas, além de ser o patrono do Evento. Recebeu o Prêmio Batuta de Ouro PercPoa.


 
Mestre Walter Borel - Africanólogo, tamboreiro reconhecido mundialmente por suas pesquisas rítmicas e domínio do  idioma Yorubá. Um dos maiores conhecedores dos pontos e cânticos religiosos Afro-brasileiros. Recentemente lançou o Livro "Agô Iê - Vamos falar dos Orixás".Recebeu o prêmio de destaque na primeira edição do evento.   



Serrote Preto - Grupo de destaque na cena cultural sulista. Foi uma das atrações principais de todas edições do Fórum Social Mundial. Possui projetos sociais em escolas e centros comunitários. Este ano lançou seu segundo disco " MISTURA DE CRENÇAS" realizando tourne. Hoje com dez anos e mais de dois mil shows.


  
Maracatu Truvão - O grupo tem se destacado em inúmeras atividades, sendo uma das atrações principais do Prêmio Açorianos de Música promovido pela SMC. Realiza oficinas e shows periódicos domingos na sede do bloco afro AFROSUL ODOMODÊ. Prepara-se para lançar seu primeiro disco.



Mestre Gersy Saraiva - Um dos mais renomados bateristas da atualidade. Com com mais de seis décadas dedicadas   ao estudo deste intrumento. Já tocou com nomes como Luiz Gonzaga, Elis Regina, Pedrinho Mattar, Dizzye Gilespie, além de ter sido mestre reconhecido por nomes como NENÊ, MUTINHO e RICARDO PINOTI. É um dos maiores estudiosos das vertentes rítmicas Afro-Cubanas. Foi laureado com o troféu BATUTA DE OURO ná última edição PercPoa.



AfroSul - Odomodê - Grupo liderado pelo compositor e percussionista PAULO ROMEU que já atuou ao lado de nomes como BEDEU, GILBETO GIL e PAU BRASIL. É responsável pela profissionalização musical de inúmeros jovens em cituação de risco atendidos na ong AFRO SUL . Realizou inúmeras oficinas de percussão  na FASE. Realiza periodicamente o projeto FARRA DE RUA, arrecadando alimentos e agasalhos para comunidade carentes.



Percuteria da Glória - Liderada pelo percussionista LUIZ JAKKA, que já dividiu o palco com BLITZ, MONOBLOCO, DJAVAN, DANI CARLOS e atualmente faz parte do grupo "trezegraus" junto com o guitarrista James Liberato, Aninha Freire e Thiago Colombo. Luiz Jakka também ministra aulas na escola Estação Musical. O grupo destacou rítmos como samba, jazz e salsa, além de ter realizado um verdadeiro carnaval rítmico no encerramento do evento.


  
Mestre Paraqueda - Lendário compositor e percussionista da escola de samba "SAMBA PURO" do Morro da Conceição  mais conhecido como "Maria Degolada".
Realiza projetos sociais no bairro Itapuã, onde reside. Mestre Paraqueda é também pintor e escultor e terá suas obras expostas no saguão do teatro no dia do evento. Foi agraciado com o troféu BATUTA DE OURO na última edição do PERC POA.



Batacla FC - Uma das bandas mais inovadoras na música contemporânea, trazendo Sandro Gravador, tocador de "sopapo" um dos mestres de bateria mais considerados do sul, Prêmio Açorianos de melhor instrumentista. Possuem inúmeros cds um deles: "Assim Falou Bataclan" que obteve amplo destaque, banda que sempre contribuiu na divulgação dos tambores sulistas.

Iara Deodoro - Obteve o prêmio de Destaque Cultural a 37 anos comanda a Instituição Ponto de Cultura AfroSul/Odomode com amplo destaque no cenário Cultural e Social de Porto Alegre. 

 
Elojac (Maria Bonita) idealizador do evento.


Oficinas: Afrosul/Odomode _Mestre Gersy Saraiva

Ações e Metas do PercPOA

METAS:
REALIZAR 1 SEMINÁRIO TEMÁTICO SOBRE O TAMBOR E A ARTE DA PERCUSSÃO NA REGIÃO SUL -DESAFIOS E OPORTUNIDADES DIA 03/12.


REALIZAR 4 WORKSHOPS DIA 04/12 (TEATRO TULIO PIVA E SEDE DO BLOCO AFRO ADOMODÊ).


RELIZAR SHOW COLETIVO DE ENCERRAMENTO COM OS MAIORES NOMES DA PERCUSSÃO NO SUL DO PAÍS E CORTEJO AO AR LIVRE DIA 05/12.


ABRIR ESPAÇO PARA DIVULGAÇÃO DE CDS, PRODUÇÕES LITERÁRIAS E ARTÍSTICAS DE PRODUTOS E SERVIÇOS.


ORGANIZAR COLETIVAS PARA A IMPRENSA.


REALIZAR ASSESSORIA DE IMPRENSA E DIVULGAÇÃO.


APROVEITAR MOVIMENTO SAZONAL DO VERÃO PORTO-ALEGRENSE, TRAZENDO MAIS DIVISAS E TURISMO PARA NOSSA CIDADE.


OCUPAR O MÁXIMO DE ESPAÇO POSSÍVEL NA MÍDIA IMPRESSA E ELETRÔNICA.
ATINGIR A JUVENTUDE PORTO-ALEGRENSE COM NOSSAS AÇÕES.


AÇÕES:

  • Desenvolver formulário de  pesquisa a ser aplicado junto ao público formador de opinião, coletando informações e dados  para criação de mailing e concepção artística do evento.
  • Nomeação de uma comissão organizadora dividida em GTs.
  • Desenvolver estudo para criação de projetos agregados ao evento.
  • Contatar colunistas, jornalistas e imprensa em geral divulgando novo projeto.
  • Prospectar fornecedores e apoiadores para parcerias.
  • Organizar cadastro de fornecedores artísticos.
  • Mapear o território nacional coletando  e registrando as culturas ritmas e buscando artistas representantes para participarem do evento
  • Adoção de identidade visual e material gráfico específico para os eventos
  • Desenvolver releases consistentes, com argumentação artística voltados para cada espetáculo.
  • Desenvolver parceria com produtoras de eventos para trazermos artistas nacionais e mundiais em tourneé.
  • Estudar e firmar parceria com veículo de comunicação pra divulgação através de promoções.
  • Criar projeto de ambientação e iluminação e sonorização para o palco.
  • Contatar os artistas selecionados.
  • Promover reuniões periódicas com Gt de Trabalho e Curadoria para avaliações e alinhamentos
  • Desenvolver árvore, lay-out e design do Site “ percpoa.org ”.
  • Oferecer coquetel comemorativo de pré-lançamento e lançamento para imprensa e convidados.

Show Coletivo - Mestre Griot: Giba Giba

Diretrizes Básicas


     PercPOA – Festival de Percussão da Cidade de Porto Alegre é o maior encontro de percussionistas do sul do Brasil. Este festival está voltado para as diversas manifestações rítmicas da cultura brasileira.. O PercPOA é um festival que reúne seminários, oficinas de percussão, shows, atividades de inclusão social e, principalmente, a integração de todos os músicos e pessoas envolvidas com o tambor, o batuque, a bateria e a música de maneira geral.
     O contra-ponto à cultura do Palco Italiano é notoriamente praticado e difundido,  pois além de acontecerem oficinas, workshops e shows em espaços abertos  ao nível dos espectadores, já é esperado o Cortejo Final, momento em que, no encerramento do evento, os artistas descem do palco ,j untam-se ao público e deixam em cordão o teatro TULIO PIVA, fazendo um verdadeiro carnaval, onde depois de uns bons sopapos, os tocantes, cantantes e dançantes dão por cumprida sua missão e confraternizam.
     Um outro aspecto relevante do Perc POA é a inclusão social, seja sob forma de oficinas gratuitas, arrecadação de alimentos ou resgate de  matrizes culturais sufocadas pela verticalização da cultura, de um modo geral.
     Nesta edição o projeto, além dos shows e oficinas de ritmo, contará com exposições de arte e de instrumentos musicais nas dependências do teatro.
     

     O PercPOA tem como seus principais objetivos:

- Difundir a música entre os jovens, oferecendo referências de qualidade associadas à novas e tradicionais possibilidades culturais
-  Valorizar nossa herança cultural musical, principalmente rítmica
-  Resgatar e reescrever a história do tambor no sul do Brasil
- Integrar a classe artística, oferecendo cursos, workshops, palestras, visitações, oficinas e shows gratuítos, sem cobrança de ingressos ou taxas de inscrição
- Atingir o maior número possível de público, seja nas oficinas permanentes, workshops,  shows, palestras, mídias convencionais e alternativas

   
   O Ritmo como justificativa se manifesta em tudo, ele rege o que a física quântica de vanguarda chamaria de “Sincronismo Cósmico” . É este sincronismo que determina desde a organização de um átomo, à complexa interrelação do sistema solar.
   O ritmo vive dentro de nós, nas batidas de nosso coração, na respiração e no caminhar no centro da terra e em nossos ancestrais.
   O ritmo foi a primeira forma de comunicação entre os seres, antes mesmo da linguagem falada ou escrita.
   Os instrumentos de percussão são os mais antigos que existem. Em muitos sítios arqueológicos foram encontradas representações de pessoas dançando em torno de um tambor. Muitos objetos musicais também foram encontrados como toras de árvore fossilizadas, possivelmente usadas como tambores primitivos, e diversas versões de litofones, rochas de diversos tamanhos que eram dispostas sobre um tronco ou buraco no chão, usadas para produzir música melódica por percussão.
   Com o advento da tecnologia os seres-humanos, em um primeiro momento, se distanciaram da Natureza. É esta re-ligação que queremos promover através da música e da educação musical.
   
  A Música tem se mostrado uma das mais eficientes linguagens universais, abrindo janelas culturais e unificando os povos, sendo um caminho nítido para a paz e o entendimento entre as nações.
   O diferencial deste evento é a criatividade e a pluralidade das situações ofertadas, buscando a integração de músicos percussionistas e o despertar da juventude para a arte dos tambores.
 
   O PercPOA é um evento de realização anual que marcará o calendário da cultura popular do sul do Brasil.

   Porto Alegre é a cidade escolhida para ser a sede permanente deste evento, diante da riqueza étnica e a pluralidade cultural existente no sul do Brasil, onde a afro-descendência e a cultura indígena se misturam harmoniosamente com as influências latino-americanas e européias, formando um cenário propício para tais manifestações. 
     Idealizado pelas pelas empresas A Produtora e Preto Produtora Cultural o PercPOA  - Festival de Percussão da Cidade de Porto Alegre - propõe uma série de atividades culturais em conjunto, visando integrar músicos amadores e profissionais de todo o Brasil, bem como qualquer indivíduo que pretenda se iniciar na arte da música, principalmente, na percussão. O evento já conta com o apoio da PORTOWEB - Tambor e da Prefeitura Municipal de Porto Alegre.







" Agradecemos a todos os amigos, colaboradores, apoiadores, patrocinadores e pessoas de bem, que elevam esta proposta, fazendo deste projeto um grande encontro educativo, e que se torna realidade a cada ano. Todos muito emocionados em estar-mos juntos confraternizando e nos sentindo vivos, nos rejovenescendo e honrando nossa história, nossas raizes e nossos ancestrais. Nossa consciência é o nosso tambor maior  ".  

Á Equipe